terça-feira, 13 de janeiro de 2009

For give and for get

Sempre pensei nestas duas formas de representação da língua inglesa: forgive and forget. São dois verbos, perdoar e esquecer, mas perceberam que eles têm uma formação parecida e colocados de maneira separada como o fiz no título, isso fica ainda mais evidente? Perdoar pode ser ligado a dar, entregar, oferecer (to give); e esquecer a pegar, ter, possuir, ou às inúmeras composições que o verbo to get possibilita.
O perdão é uma das coisas mais bonitas que se tem notícia, pelo menos eu acho. Inclusive é um dos pilares de uma grande religião do mundo, uma das maiores. Perdão é quando você dá, realmente oferece alguma coisa que geralmente não te deram... não é devolver, é doar-se, é manifestação de entrega de si mesmo (é estranho como que a maioria das religiões tem essa questão de entrega de si mesmo, em maior ou menor grau, em grande valia).
E esquecer pode ser uma dádiva ou uma maldição. Dádiva quando aquilo que esquecemos (ou aquele ou aquela) não vai fazer diferença pra nós, e nem digo quando é algo ruim, pois muitas vezes algo ruim nós não podemos esquecer... e independente de algo ruim ou bom, quando não podemos nos esquecer disso (ou desse ou dessa) se transforma em maldição, pois aquilo passa a nos acompanhar em horas imprórias, nos pega, nos tem, nos prende, não nos libera e nem nos sentimos libertos... portanto, muitas vezes esquecer é tirar, libertar-se, ou prender-se...
Perdoar e esquecer são parecidas até mesmo no seu sentido: muitas vezes perdoar é esquecer... mas será que esquecer e perdoar é assim tão fácil? Às vezes é necessário esquecer alguma coisa para perdoar... ou esquecer aqueles que não cosneguimos perdoar... quem sabe, esquecendo, conseguimos perdoar...

Mas, como diz Arlindo Cruz, num dos seus belíssimos sambas, eu ainda não entendi por que "recebe menos quem mais tem pra dar"... então, dêem-me licença que eu já vou... rsrs

3 comentários:

David disse...

Eu acho que esquecer, é de certa forma, e o mais comum conhecido jeito de perdoar. Mas nem sempre perdoar é o mesmo que Esquecer.
Na minha opinião, eu perdoo tão mais facil do que esqueço, Certas coisas ficam como um prego na madeira né? Você pode reformar, revestir, inverzinar, mas as farpas de madeira dilaçeradas continuam internamente do mesmo jeito.
Mas enfim... Eu amei o post! vou virar leitor do teu blog ^^
Beijos querido

Carlos Eduardo disse...

Acredita agora?

Carlos Eduardo disse...

"Recebe menos quem mais tem pra dar.."

Ultimamente frases dessas tem 'me encontrado', e tenho encarado com um sinal. Por exemplo esses dias me disseram: "Aqueles mais difíceis de serem amados, são geralmente os que mais precisam de amor."